08 de November de 2016 às 17:22

Fiat apresenta motor Tigershark 2.4 e faz Toro chegar a 186cv

 

O Fiat Toro chegou no primeiro semestre deste ano e de lá para cá vem se mostrando um verdadeiro sucesso de vendas, superando a marca de 30 mil unidades/vendidas em todo o Brasil. Mesmo com todo esse resultado, a Fiat lança o Toro Freedom 2.4 Flex AT9, equipada com o motor 2.4 Tigershark Multiair Flex 16V, que rende 186 cv de potência e elevados 24,9 kgfm de torque. Para acompanhar este potente propulsor, a nova versão conta ainda com o câmbio automático de nove velocidades e sistema Start & Stop para melhorar ainda mais os índices de consumo de combustível.

Uma novidade é a tecla Sport, localizada no centro do painel, muda o mapa de calibração do motor, deixando a picape mais ágil e com um comportamento mais esportivo. Além de todos os itens de série da Freedom 1.8 Flex, ela ganha capota marítima, retrovisores elétricos, brake light, luz de caçamba, sensor de pressão nos pneus, volante em couro + tecla áudio + borboletas para as trocas de marchas, rodas “Super Spoke” de 16 polegadas, além da nova cor perolizada exclusiva para a versão, a Branco Polar.

O nome Tigershark é uma homenagem ao feroz Tubarão Tigre e também a um avião caça bombardeiro americano. Para justificar a agressiva
denominação, este 2.4 traz o que há de mais atual em tecnologia e construção. Este novo e potente motor flexível quatro cilindros 2.4 litros de 16 válvulas da família Tigershark é produzido no México, na nova fábrica de motores de Saltillo, de onde também saem os poderosos motores V8 da FCA HEMI 5.7 e Hellcat 6.2.

O resultado de tudo isto, é uma potência elevada (186 cv a 6.400 rpm, com etanol / 174cv, com gasolina). E a apenas 2.000 rpm já se tem 91% de seu torque máximo (24,9 kgfm a 4.000 rpm, etanol / 23,5 kgfm, gasolina). Todo este trabalho torna o Fiat Toro 2.4 Flex extremamente agradável de dirigir devido à sua potência e ao baixo nível de ruído interno, já que o motor rende bem também em baixa rotação. Ele ainda se destaca pela economia de combustível e por atender aos padrões de emissões não só no Brasil, como também nos Estados Unidos e Europa.

Fonte: FCA Press